O Bangalô - Sarah Jio

28 janeiro, 2016

Verão de 1942. Anne tem tudo o que uma garota de sua idade almeja: família e noivo bem-sucedidos.
No entanto, ela não se sente feliz com o rumo que sua vida está tomando. Recém-formada em enfermagem e vivendo em um mundo devastado pelos horrores da Segunda Guerra Mundial, Anne, juntamente com sua melhor amiga, decide se alistar para servir seu país como enfermeira em Bora Bora.
Lá ela se depara com outra realidade, uma vida simples e responsabilidades que não estava acostumada. Mas, também, conhece o verdadeiro amor nos braços de Westry, um soldado sensível e carinhoso.
O esconderijo de amor de Anne e Westry é um bangalô abandonado, e eles vivem os melhores momentos de suas vidas... Até testemunharem um assassinato brutal nos arredores do bangalô que mudará o rumo desta história.
A ilha, de alguma forma, transforma a vida das pessoas, e este livro certamente transformará você.


O enredo da história é não linear e por isso tudo começa com uma carta para Anne – uma senhora – cujo remetente é Bora Bora, uma ilha na qual Anne viveu por algum tempo enquanto servia ao exército como enfermeira durante a guerra. O conteúdo da carta é o que traz a tona tudo que ela viveu em 1942 naquela ilha ao mencionar um assassinato que foi presenciado por ela.
Nunca esteve nos planos de Anne retornar a ilha, mas depois de receber a carta ela cede ao pedido da sua neta e embarca em uma viagem para revelar todo o seu passado...

Que mal faria em contar a ela? Eu era uma velha senhora. Não haveria muitas consequências agora, e, se houvesse, poderia superá-las. E como eu desejava revelar esses segredos, mandá-los pelos céus como morcegos em um sótão empoeirado.

Apesar de ser de uma família bem-sucedida e estar noiva de um homem tão bem sucedido quanto, o que lhe garantiria uma vida confortável, Anne sempre almejou mais. Enquanto as moças da sua idade sonhavam com maridos ricos (e iam em busca disso), Anne desejava poder trabalhar, fazer a sua parte no mundo e ser mais que uma dondoca, é por isso que pouco depois de se formar na faculdade de enfermagem ela decide acompanhar Kitty, sua amiga de infância, em um voluntariado para servir como enfermeira junto ao exército em Bora Bora – mesmo que para isso seu casamento com Gerard tenha que ser adiado, afinal é sua última chance de lutar por algo que deseja para si mesma, um trabalho e uma vida diferente.
A realidade em Bora Bora certamente é bem diferente daquela a qual Anne estava acostumada, as pessoas também são diferentes e o fato de estarem em uma guerra muda muitas perspectivas. É durante o tempo em que está em Bora Bora que Anne conhece Westry, um soldado carinhoso, afetuoso, diferente dos demais soldados e, claro, ele rouba seu coração. Os encontros deles se passam em um bangalô que está abandonado e é considerado amaldiçoado por alguns dos moradores da região – e quando os dois presenciam um assassinato brutal nos arredores, tudo muda entre eles.

"- É tudo tão complicado.
- Não quando o amor é tão certo."
O grande mistério desse livro não está no seu conteúdo, mas sim nos sentimentos capazes de despertar em quem lê. Com a sinopse já é possível deduzir os clichês que a autora utilizou para dar forma ao seu livro, unindo em um só enredo grandes romances como O Diário de uma Paixão e Pearl Harbor. Então, se é tão clichê, por que atrai tanto?
A resposta é que a autora consegue fazer mágica através das palavras, com frases de efeito, algumas pontas soltas e a ideia de um romance intenso, o leitor viaja junto com Anne para Bora Bora e revive sua história. Há um mistério ainda por trás do assassinato e de todos os segredos que aquela ilha parecia guardar, mas com o decorrer da história alguns fatos ficaram bem claro para entender, mas o romance e as emoções que despertam são suficientes para prender o leitor do início ao fim.
Com um enredo atraente, ambientado em uma época que desperta o interesse dos leitores (afinal quantos romances surgiram na guerra!?) e carregado na medida certa entre romance e drama, é uma leitura sensível, mas intensa, capaz de emocionar muitos leitores.

8 comentários:

  1. Fiquei super curioso com o desfecho desta história, sim. Eu não imaginava que O Bangalô fosse narrar duas amigas alistadas como soldados para uma guerra. Com certeza o começo da trama não me agradou em nada, mas o desenvolver se tornou surpreendente, desejo muito esta leitura.

    ResponderExcluir
  2. Narrar a história de mulheres guerrilheiras é, certamente, uma originalidade incrível. Sarah Jio conseguiu me prender a todo momento em sua história, apenas não gostei de alguns aspectos machistas da história. A proposta de contar tudo após 60 anos também foi incrível!

    ResponderExcluir
  3. Livros se passa em uma ilha paradisíaca na década de 40? Preciso urgentemente ler! Adorei a resenha e confesso que se não fosse por ela eu não me interessaria pelo livro.

    ResponderExcluir
  4. Meus olhos sempre detectavam O Bangalô como um simples romance de época. Mas, a minha dedução estava totalmente equivocada, fiquei surpreso com tanta originalidade e ousadia da autora em implementar na história soldados-mulheres, o que não é muito comum. Com certeza renderá uma boa história.

    ResponderExcluir
  5. Essa autora me surpreendeu tanto que vivo recomendando seus livros pra todas as minhas amigas. Tem uma escrita sensível, com enredos ambientados em épocas que não eram fáceis, com personagens incríveis. O Bangalô ainda não li, mas recomendo mesmo assim hahahahaha

    ResponderExcluir
  6. Gosto muito de histórias ambientadas em guerras. Julgando o livro pela capa e pelo título eu jamais leria, mas lendo a resenha fiquei até interessado. Como você disse, é bem clichê, mas sempre há algo de novo, pois cada autor, por meio de um personagem, tem um jeito único e uma percepção diferente da situação.

    ResponderExcluir
  7. Gente, essa capa é horrível, eu super tinha julgado o livro e deixado de lado da minha lista de possíveis leituras. Mas ai, agora que li a sinopse, meio que tô amando haha <3
    Quero muito ler. E parece uma leitura bem rápida!

    ResponderExcluir
  8. Oi!
    Esse é um livro que me surpreendeu pois imaginava uma historia diferente mas gostei, achei a historia interessante principalmente por esse cenário e fiquei curiosa para descobrir sobre o presente de Anne e se tiver oportunidade quero ler essa historia !!

    ResponderExcluir

Comentários e elogios são sempre bem-vindos. Críticas são construtivas, agora, insultos e xingamentos são falta de respeito.
Desde já, obrigada pra quem comenta.

© Coisas da Amanda Todos os direitos reservados.
Criado por: Amanda.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo