Dez Coisas Que Aprendi Sobre o Amor - Sarah Butler

17 dezembro, 2015


Por quase 30 anos, quando a brisa de Londres torna-se mais quente, Daniel caminha pelas margens do Tâmisa e senta-se em um banco. Entre as mãos, tem uma folha de papel e um envelope em que escreve apenas um nome, sempre o mesmo. Ele lista também algumas coisas: os desejos e o que gostaria de falar para sua filha, que ele nunca conheceu. Alice tem 30 anos e sente-se mais feliz longe de casa, sob um céu estrelado, rodeada pela imensidão do horizonte, em vez de segura entre quatro paredes. Londres está cheia de memórias de sua mãe que se fora muito cedo, deixando-a com uma família que ela não parece fazer parte. Agora, Alice está de volta porque seu pai está morrendo. Ela só pode dar-lhe um último adeus. Alice e Daniel parecem não ter nada em comum, exceto o amor pelas estrelas, cores e mirtilos. Mas, acima de tudo, o hábito de fazer listas de dez coisas que os tornam tristes ou felizes. O amor está em todas as partes desta história. Suas consequências também. Sejam boas ou más. Até que ponto uma mentira pode ser melhor do que a verdade?



Alice perdeu a mãe quando criança e sempre se culpou muito por tudo que aconteceu, carregada por esse sentimento ela cresceu no meio de sua família se sentindo um peso, sem nunca realmente se encaixar ali, por isso na primeira oportunidade ela fez as malas e viajou, e tem se mantido distante por anos, mas quando recebe uma ligação sobre o estado de saúde de seu pai, ela se força a voltar para casa para passar esses últimos momentos ao lado dele.
Do outro lado está Daniel, que a princípio nada tem a ver com a vida de Alice, ele é um morador de rua que vive passeando por aí e recolhendo objetos coloridos, tentando viver bem dia após dia, sem estresses para que seu coração fique sempre tranquilo. Ele perdeu os pais, a mulher que amava e nunca conheceu a filha – que é o seu maior desejo – e, em decorrência disso tudo, passa o livro todo se lamentando.
O caminho desses dois demora um pouco a se cruzar, mas logo no início fica claro que eles compartilham pontos em comum, como a paixão por estrelas, por cores e até pelo mirtilo, compartilham alguns sentimentos também, como o medo da rejeição e a culpa por algumas atitudes que tomaram – o que mostra que não importa a sua idade, afinal mais de trinta anos os separam, algumas perdas são sentidas da mesma forma não importa quão novo, ou quão velho, seja quem sofre.

O livro intercala a narração entre os dois personagens, Alice e Daniel, e é notável a diferença quando cada um deles assume o comando. Alice tem uma escrita mais melancólica, ela sofreu com a morte da mãe quando era criança e agora está na iminência de perder o pai, e, por passar os últimos momentos com ele é palpável a tristeza do momento, enquanto Daniel tem um ar de perda, de lamento pelos familiares que ele perdeu ao longo da vida e pela filha que nunca chegou a conhecer.
Os capítulos se intercalam com narração entre eles e, antes de cada capítulo começar, possuem uma lista com dez coisas referentes ao que vai ser abordado – infelizmente em algumas partes essas “dez coisas” foram a melhor parte do capítulo. Tinha uma perspectiva diferente de como a história iria se desenrolar, tanto que quando o livro chegou da editora logo comecei a ler, mas com o passar das páginas desanimei e deixei de lado por um tempo, retomando a leitura somente agora.

Apesar dos personagens terem sido bem construídos, do trabalho gráfico impecável e da capa atraente, não foram suficientes para o livro ganhar o meu apreço. O que me desagradou na leitura não foi um único fator e sim uma soma deles. Alice vive reclamando da sua relação familiar, mas nunca fez nada para mudar, pelo contrário, fugiu; o drama que une esses personagens no decorrer da história já ficou claro para mim desde a sinopse, ok, não tão claro, mas era um palpite que me fazia julgar a história muito clichê, e foi justamente o que ocorreu; ademais, os personagens têm uma história de vida elaborada mas não possuem carisma, não consegui me apegar a nenhum dos dois no decorrer da narrativa, e foi o que mais me desanimou, porque alguns capítulos simplesmente passaram para mim, sem nada marcante; foi uma leitura que prometia muito sentimento, mas acabou se arrastando páginas a fio sem me convencer.



9 comentários:

  1. Creio que é o meu primeiro contato com a autora Sarh Butler, até então desconhecida. O livro Dez Coisas que Aprendi Sobre o Amor me cativou desde o começo, por sua capa, é óbvio, haha. Mas, agora, me aprofundando mais em sua história com essa resenha me encantei mais ainda com o livro. Lerei!

    ResponderExcluir
  2. Esse livro não atrai minha atenção no lançamento,os pontos levantados na resenha confirmam que não é uma leitura que faz meu estilo.Só a lista em cada capítulo achei interessante.

    ResponderExcluir
  3. Passei a querer ler este livro quando o vi nos posts de lançamentos há uns meses. Às vezes, até gosto de personagens melancólicos, mas é necessário que role uma empatia, para que eu sofra com eles, mas sem carisma é muito difícil.

    ResponderExcluir
  4. Tenho esse livro em casa mais até agora não tive tempo para ler e pelo jeito que as coisas andam vou ter que deixar para ano que vem, gostei da resenha e espero fazer a leitura em breve.

    ResponderExcluir
  5. Adoro histórias que sejam contadas por perspectivas diferentes, que saiam de uma narrativa maçante com um único ponto de vista. A capa, o título, esteticamente o livro é um apanhado de coisas lindas... adorei!

    ResponderExcluir
  6. Inicialmente quando vi esse livro entre os lançamentos eu havia me interessado por ele, mas depois de ler a sinopse e ver alguns comentários não muito positivos sobre a história acabei perdendo o interesse e decidindo não ler. Sua resenha está muito boa, que pena que o livro não te agradou muito.

    ResponderExcluir
  7. Eu gosto muito de livros que intercalam a narrativa entre os personagens. Alice e Daniel são pessoas que sofrem o seu próprio drama e enfrentam suas dificuldades como podem, cada um com sua própria vida, mas ao mesmo tempo parecendo possuírem a mesma. Uma ótima pedida pra este Natal.

    ResponderExcluir
  8. Parece fofinho, mas acho que nao curti :(
    Ainda mais pq voce disse que a leitura é arrastada!

    ResponderExcluir
  9. Esse livro chamas bastante minha atenção.
    Adoro a capa ,e sua resenha me deixou curiosa pra ler o livro .

    ResponderExcluir

Comentários e elogios são sempre bem-vindos. Críticas são construtivas, agora, insultos e xingamentos são falta de respeito.
Desde já, obrigada pra quem comenta.

© Coisas da Amanda Todos os direitos reservados.
Criado por: Amanda.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo