Dois Garotos se Beijando - David Levithan

30 maio, 2015





Baseado em fatos reais e em parte narrado por uma geração que morreu em decorrência da Aids, o livro segue os passos de Harry e Craig, dois jovens de 17 anos que estão prestes a participar de um desafio: 32 horas se beijando para figurar no Livro dos Recordes. Enquanto tentam cumprir sua meta — e quebrar alguns tabus —, os dois chamam a atenção de outros jovens que também precisam lidar com questões universais como amor, identidade e a sensação de pertencer.






O título te leva a pensar que esse é só um livro sobre um relacionamento homossexual, que tem ganhado um destaque especial nas obras de David Levithan, mas não é só isso não. O autor - como não poderia deixar de ser - tem se destacado no mercado editorial e trás profundidade a história ao mesclar diferentes personagens, cada um especial a sua própria maneira.
O objetivo principal é de Harry e Craig que, com 17 anos, querem lutar contra as barreiras das relações heterosexuais, e entrar no livro dos recordes com o beijo mais longo de todos, durando 32 horas. Mas quem são Harry e Craig? Eles já se amaram, já foram namorados, mas a relação não deu certo e cada um seguiu seu caminho, até que em uma festa LGBT que atrai pessoas dá cidade e de outras vizinhas, eles se reencontram.
É nessa festa que os demais personagens surgem, dentre eles Avery, que se destaca por seu cabelo rosa, e Ryan, que se destaca por seu cabelo azul, ambos compartem o mesmo segredo mas tem medo de se revelar um para o outro; temos também Cooper, cujo "hobby" principal é passar horas na internet usando contas falsas para seduzir homens (escondido dos pais), há Neil e Peter, e também Tariq.
O beijo não é só para aparecer no livro dos recordes e ganhar dinheiro, pelo contrário, a ideia surge justamente para mostrar no meio de todos essas pessoas iguais, mas diferentes entre si, que dois garotos se beijando não é nada absurdo, não é algo de outro mundo, não é motivo de repulsa ou de surpresa. É comum, como tem que ser.

Apesar de muitos personagens principais, os enredos se enlaçam e assim o autor aborda diversas possibilidades dentro da temática LGBT. Há o gay assumido, o que os pais não aceitam, o transexual... todos unidos em uma única obra que muda a forma de ver a realidade atual.
O livro é todo feito em um só grande capítulo, não há a costumeira divisão (então nada de ler só mais um capítulo), pensei que com isso ia tornar a história mais cansativa, sem pausas, mas é o contrário, faz engatar o ritmo certo para ler sem parar (e no fim você agradece por não ter interrupções!).
Confesso que demorei para pegar esse livro para ler, ele estava na minha pilha já no início do ano, mas fui sempre deixando para depois, mas, como sempre acontece com as obras do David Levithan, foi uma surpresa atrás da outra do início ao fim. Mais que o enredo e os personagens, a obra se destaca também por seu narrador onisciente, é narrada em primeira pessoa para podermos acompanhar a todos, com direito a pitacos e críticas que aguçam a curiosidade sobre quem poderia narrar tal história. E, para fechar com chave de ouro, o autor constrói o enredo focando no jovem gay de hoje, há uma certa análise entre o gay da década passada e o gay de hoje, mas também uma reflexão do que ainda nos aguarda, por isso a história é profunda, intensa.

Como o próprio autor ressalta no fim do livro, esse é um livro jovem, atual, um livro que não poderia ter sido escrito anos atrás, que não seria aceito no mercado editorial preconceituoso do país que fosse, e isso me leva a pensar em como poucos anos podem mudar tudo - e que bom que estamos aqui para vivenciar isso.

Então, para você que se depara com um livro que tem uma sinopse de cinco linhas e pensa que o enredo será uma história bobinha com dois adolescentes querendo quebrar um recorde enquanto outra dezena torce por eles, saiba que não é só isso. É muito muito mais que isso.

9 comentários:

  1. Oi! Vi quando saiu o lançamento desse livro, mas não tinha me interessado. Estou em um clima diferente de leituras, estou caminhando mais para os livros de investigação e terror. É surpreendente um livro com tantos personagens principais, mesmo assim o autor não se perde na trama, mas acho que o que ajudou é que os personagens buscam a mesma coisa, então não são tão diferentes um do outro, tem algo em comum. Não sei se eu gostaria de um livro que não é dividido entre capítulos, eu sempre acho meio que enfadonho.

    ResponderExcluir
  2. Amo Levithan e seus livros são assim, apaixonantes. Não dei muita bola pro livro, no início, pq achei a premissa boba... o livro ficou meses intocado na minha estante. O que me incomodou foram os vários personagens, mas vc se acostuma quando a vida de cada casal é detalhada.

    ResponderExcluir
  3. Não sou de ler histórias sobre homossexualismo pelo preconceito ao me verem com um livro assim, mas tenho muita vontade de ler a obra do David! Apesar disso de ser só um graaande capítulo ter me desanimado bastante '~'

    ResponderExcluir
  4. Essa temática vem se desengessando muito nos últimos anos. Acredito que a literatura, por meio de livros como esse, tem sua contribuição nesse meio.

    ResponderExcluir
  5. Olá
    achei muito bacana a editora trazer para o brasil esse livro, apesar da polemica
    com a capa, achei essa edição muito melhor que a americana
    Bjks

    ResponderExcluir
  6. Pela sinopse realmente foi a primeira coisa que pensei com relação a esse livro. Não me parecia que ele era tão profundo. Numa coisa devo concordar, o espaço para obras desse tipo está crescendo cada vez mais e isso não a volta. Com relação ao livro, acho que o autor retrata bem os diversos tipos de gays. Enfim, ele retrata bem essa parcela da sociedade e isso é positivo.

    beijos

    ResponderExcluir
  7. nao li o livro ainda mais eu quero muito,é um livro bem diferente, nunca tinha lido nenhum livro que houvesse um romance entre dois garotos, por isso fiquei curiosa, espero ler muito em breve e sua resenha so me deixou mais interessada.

    ResponderExcluir
  8. O David Levithan é sinônimo de ótimos livros. Acho incrível a maneira com a qual ele aborda a temática homossexual sem espetacularizar, nem polemizar. O que achei interessante nesse é que ele aborda muitos gêneros homossexuais. Tem dos gays assumidos aos que continuam no armário. Enfim, mais um llivro do autor que vou querer ler.

    @_Dom_Dom

    ResponderExcluir
  9. O Leviathan sempre levantou a bandeira em defesa ao homossexualismo e esse é um dos livros que aborda o tema com primazia e mostra as diversas facetas do preconceito e das dúvidas pessoais dos protagonistas.
    “Os homens não desejam aquilo que fazem, mas os objetivos que os levam a fazer aquilo que fazem.”(Platão)
    Cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Comentários e elogios são sempre bem-vindos. Críticas são construtivas, agora, insultos e xingamentos são falta de respeito.
Desde já, obrigada pra quem comenta.

© Coisas da Amanda Todos os direitos reservados.
Criado por: Amanda.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo