O Que Restou de Mim - Kat Zhang

28 dezembro, 2014




Addie e Eva são híbridas duas almas no mesmo corpo. Em sua realidade, todos nascem assim mas, ainda na infância, uma das almas torna-se dominante. Mas isso nunca acontecia com as duas. Considerados instáveis e perigosos, os híbridos foram perseguidos e eliminados das Américas. E quando o segredo delas é ameaçado, Eva e Addie descobrirão da pior forma que há muito mais sobre os híbridos do que os noticiários de TV e os livros de história contam.






Em um mundo distópico, corpos nascem com duas almas, que convivem durante os primeiros anos da infância até que, por volta dos quatro anos, uma das duas almas se torna a dominante e se sobressai, “expulsando” a alma recessiva. Ou pelo menos assim deveria ser, mas com alguns corpos o processo não acontece, quando duas almas fortes disputam um corpo sem que nenhuma ganhe, ambas seguem presentes, e assim nascem os híbridos.
Criaturas perigosas e instáveis, o governo manda que cada cidadão que conheça ou se depare com um híbrido o denuncie, para que as medidas necessárias sejam tomadas, isso significa que o governo virá pelo híbrido para levá-lo a uma clínica onde tudo pode acontecer.
E, um dia, isso acontece com Addie e Eva. Elas conviviam pacificamente, para qualquer um que visse ou perguntasse, Addie se definiu, ela foi a alma dominante que venceu de Eva, mas Hally, uma amiga – que também é híbrida – percebe que Eva continua ali e se aproxima de Addie para ajudar Eva a se expressar novamente, nos primeiros encontros elas buscam qualquer sinal, um mover de mãos, uma palavra...
Mas o que elas querem fazer é perigoso demais, e quando as autoridades levam Hally por ser uma híbrida, uma investigação aponta o contato diário que as meninas tinham nas últimas semanas, e logo o governo está à porta de Addie, pronto para levá-la também, e depois disso tudo pode acontecer no lugar tão temido para onde estão sendo levadas.

Esse livro chamou a minha atenção logo na sinopse por me lembra do enredo criado por Stephenie Meyer no livro A Hospedeira, mas O Que Restou de Mim se diferencia dessa história. A ideia, a princípio, é um pouco confusa, afinal como podem duas almas conviverem no mesmo corpo? Addie e Eva conversam entre si, como isso é possível? Mas no decorrer da história o leitor se acostuma a isso.
A questão que, a princípio se tratava de híbridos, ganha um enfoque diferente depois que Addie é levada, e passa a explorar as pesquisas feitas em clínicas com crianças, numa tentativa do governo americano banir todos os híbridos – que podem conviver pacificamente em outros países.

A narração é feita por Eva, a alma recessiva que, aos poucos, ganha espaço no corpo que divide com Addie, a falha está no desenrolar da história, que se torna confusa em alguns pontos enquanto outros não foram bem explorados, mas, por ser o primeiro livro de uma série imagino que essas questões pendentes serão melhor tratadas nos próximos livros.


5 comentários:

  1. Também assim que li a sinopse, fiz logo essa ligação com "A Hospedeira". Confesso que gosto de distopia, mas acho extremamente confusa essa ideia de duas almas na mesma personagem. E, pelo que vi, a coisa fica confusa durante um tempinho ainda. Enfim, irei ler, mas já foi preparado e bem mais concentrado nessa questão.

    @_Dom_Dom

    ResponderExcluir
  2. Gente, que livro doido! rs
    Bem diferente dessa mesmice que rola solta nos últimos tempos.
    Gostei!

    ResponderExcluir
  3. Olá,

    Li algumas resenhas desse livro e achei a premissa super diferente. Fiquei pensando nisso de duas almas habitando apenas um corpo. Se tiver a oportunidade irei ler, ou esperar mais pra comprar logo o primeiro e o segundo.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Bom, como vc citou, o livro lembra bastante A Hospedeira que, por sinal, assisti e gostei. Não encarei o livro pois tive medo de que a leitura me remetesse a Crepúsculo... desculpa quem gosta.
    Espero muito que essas partes confusas sejam bem explicadas no próximo.

    ResponderExcluir
  5. Lendo a resenha impossível não lembrar de A hospedeira.Confesso que apesar de achar a premissa diferente, li algumas resenhas negativas sobre ele ( e esta sua não me animou mto) pois não curto livros assim duas pessoas numa só...

    ResponderExcluir

Comentários e elogios são sempre bem-vindos. Críticas são construtivas, agora, insultos e xingamentos são falta de respeito.
Desde já, obrigada pra quem comenta.

© Coisas da Amanda Todos os direitos reservados.
Criado por: Amanda.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo