Eu e Você - Niccolò Ammaniti

23 agosto, 2014



Tímido, anti-social e neurótico, mas também sensível, meticuloso e perspicaz, Lorenzo tem dificuldade de se comunicar com o mundo. Para realizar seu sonho de viver isolado, sem conflitos e sem colegas irritantes, esconde-se no porão de casa durante a semana branca – sete dias de férias que os jovens têm direito na Itália. Assim, cria um mundo particular onde pode ouvir música, assistir a filmes no computador, ler e se sentir à vontade. Sua semana de sonhos está pronta para começar quando, de repente, chega uma visita inusitada: a rejeitada meia-irmã Olivia.

Em Eu e você, o talento de Niccolò Ammaniti para criar personagens fortemente humanos, pelos quais é fácil afeiçoar-se, e sua capacidade de contar histórias comoventes reúnem-se em um relato sobre mentiras tão pueris quanto inescapáveis, promessas nunca cumpridas e tudo aquilo que se quer, mas não se pode ter. Ou ser.

O autor é conhecido por sua escrita corajosa. Em seu primeiro romance publicado pela Bertrand Brasil, Como Deus manda, expôs o mundo dos excluídos, dos marginalizados e dos brutalizados italianos em uma sociedade consumista. Depois, em A festa do século, o autor apresentou a sociedade da vaidade em que as importantes personalidades vivem. Com apenas uma ressalva: não da maneira que elas esperavam.



Lorenzo não sabe interagir com as pessoas, ele é tímido e alheio ao que pensam sobre si, ele não tem amigos, mas também não sente falta disto. No entanto, sabe que os pais se preocupam com ele por causa dos motivos acima mencionados, assim, com o tempo, Lorenzo aprendeu que não é obrigado a interagir com ninguém, basta que saiba agir como as pessoas esperam que ele aja. Sim, assim ele se tornou mestre na arte de mentir.

Foi assim, inclusive, que Lorenzo se meteu no problema X do livro. Ele disse que iria passar alguns dias esquiando com alguns amigos, depois de ter ouvido os tais falarem sobre isso. Ao contar para mãe, ela ficou tão empolgada que Lorenzo não teve coragem de desmentir a história. Foi junto com ela comprar artigos esportivos e roupas para os dias que passaria esquiando, quando, na verdade, o que fez foi se esconder no porão do prédio.

A questão é que Lorenzo se sente bem assim, ele não vê necessidade de interagir com as pessoas nem de fazer amigos. O que abre dois pontos para discussão: o quanto a sociedade se impõe nas nossas vontades, e o quanto nós queremos impor a nossa vontade sobre a sociedade, viver do nosso jeito. Mas a história não aborda isso em momento algum.

Escondido no porão, Lorenzo recebe a visita – desagradável – da meia-irmã, e nesses breves dias eles interagem mais do que haviam interagido a vida inteira. Mas acaba ali. Ela vai embora, ele volta para casa e cada um segue sua vida.

Por isso que, ao concluir a leitura do livro – que é extremamente rápida, já que o livro tem menos de 150 páginas – fiquei me questionando qual o ponto do livro, que, inclusive, virou filme. Não consegui me sentir tocada pelo personagem, não senti a carga emocional que vi tantas pessoas mencionarem em suas resenhas, não vi o porquê da história.

A ideia de ter de mentir para agradar, para ser aceito, me parece sim um tema discutível e que pode ser muito aprofundado, mas nessa história não senti isso em momento algum. Lorenzo impõe sua vontade enquanto está no porão, não discute seu jeito de ser, e tem o mínimo de interação social possível – isso só muda quando é estritamente necessário que ele ajude a irmã.

Por isso, mesmo que o autor tenha uma boa escrita, foi um livro que passou batido por mim, li e só conclui a leitura por ser fininho, se tivesse mais umas cem páginas de história desse mesmo jeito, certamente eu teria abandonado.

7 comentários:

  1. Olhando o livro pela capa eu poderia jurar que se tratava de um romance! E não da história de um garoto que prefere ficar sozinho, do que com outras pessoas. É uma pena que o livro não seja tão bom. Talvez se ele tivesse mais páginas fosse mais desenvolvido...
    Não pretendo ler esse livro, talvez eu apenas assista o filme.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Achei que fosse um romance já que a capa e o título passam essa ideia. E, falando sério, achei super sem-graça. Tem momentos que vc quer sim ficar sozinho, mas acho que ninguém que estar só sempre. E que tudo isto é por ele se tímido é um pouco demais.

    ResponderExcluir
  3. Não me interessei pelo livro, a começar pela capa.
    Bjs, Rose

    ResponderExcluir
  4. Eu achava que era um romance também! Pela sinopse eu diria que o livro tem bastante coisa pra ser explorada mesmo, trata de assuntos bem importantes até, e é uma pena que seja assim tão superficial. :/
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Não gostei da capa e pelo jeito não gostaria da história também. Não é o tipo de livro que me atrai, mas vou ver se acho o filme pra assistir.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  6. Os livros "fininhos" realmente deixam a desejar, em sua maioria.
    Uma pena, pois em alguns casos são historias com potencial mas que são pouco desenvolvidas.

    ResponderExcluir
  7. A resenha está perfeita, gostei de verdade. Eu já tinha ouvido falar sobre o livro, porém nunca me interessei em procurar saber mais por ele.


    ResponderExcluir

Comentários e elogios são sempre bem-vindos. Críticas são construtivas, agora, insultos e xingamentos são falta de respeito.
Desde já, obrigada pra quem comenta.

© Coisas da Amanda Todos os direitos reservados.
Criado por: Amanda.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo