Querida Sue - Jessica Brockmole

03 julho, 2014

Março, 1912: A jovem poeta Elspeth Dunn nunca viu o mundo além de sua casa, localizada na remota ilha de Skye, noroeste da Escócia. Por isso, não é de espantar a sua surpresa quando recebe uma carta de um estudante universitário chamado David Graham, que mora na distante América. O contato do fã dá início a um intercâmbio de cartas onde os dois revelam seus medos, segredos, esperanças e confidências, desencadeando uma amizade que rapidamente se transforma em amor. Porém, a Primeira Guerra Mundial força David a lutar pelo seu país, e Elspeth não pode fazer nada além de torcer pela sobrevivência de seu grande amor.
Junho, 1940, começo da Segunda Guerra Mundial: Margaret, filha de Elspeth, está apaixonada por um piloto da Força Aérea Britânica. Sua mãe a alerta sobre os perigos de um amor em tempos de guerra, um conselho que Margaret não quer ouvir. No entanto, uma bomba atinge a casa de Elspeth e acerta em cheio a parede secreta onde estavam as cartas de amor de David. Com sua mãe desaparecida, Margaret tem como única pista do paradeiro de Elspeth uma carta que não foi destruída pelas bombas. Agora, a busca por sua mãe fará com que Margaret conheça segredos de família escondidos há décadas. Querida Sue é uma história envolvente contada em cartas. Com uma escrita sensível e cheia de detalhes de épocas que já se foram, Jessica Brockmole se revela uma nova e impressionante voz no mundo literário.

A jovem poeta Elspeth Dunn viveu toda sua vida em Sky, uma pequena ilha localizada ao noroeste da Escócia, e apesar de pacata, era uma vida agradável, uma vida com a qual ela já havia se habituado – ou pelo menos se conformado já que seu medo do mar a impedia de entrar na balsa que a levaria para algum lugar longe dali.
Essa era a sua vida, até receber a carta de um charmoso americano, quem lhe escreveu por ter ficado encantado com o seu trabalho. David, o americano, era alguns anos mais jovem que Elspeth, mas ambos nutriam amor pelas palavras e anseios nunca antes pronunciados. O que era apenas uma carta de felicitação pelo trabalho, logo se transformou em uma troca rotineira de cartas, e os textos que a princípio se limitavam a críticas de poesia, logo ganharam mais sentimento de ambas as partes. Através de cartas Elspeth e David se conheceram, e se apaixonaram.
Apesar de não se conhecerem, era um amor puro, um amor bonito que se sobressaia aos obstáculos que a vida real impunha a eles. E seria ainda maior se a guerra não tivesse acontecido. Quando os Estados Unidos começou a enviar pelotões de apoio, David viu na guerra a oportunidade de uma realização pessoal, não que fosse adepto a conflitos, muito pelo contrário, mas frente a todas as insatisfações que teve na vida, o curso na faculdade, não seguir o sonho de seu pai, romper um noivado, estragar as coisas em seu trabalho... tantas coisas aconteceram e tudo que ele queria era encontrar seu lugar no mundo, saber que poderia ser útil, ser bom em alguma coisa, ainda que isso significasse resgatar as pessoas dos campos de concentração.
O amor permaneceu nos tempos de guerra, mas nenhum dos dois foi a mesma pessoa depois que acabou.
Anos depois Elspeth vê sua única filha seguir pelo menos caminho, uma nova guerra se anuncia e um jovem amor pode ser abalado. Por mais que queira alertar a filha, impedi-la de cometer os mesmos erros que a própria Elspeth cometeu, as lembranças despertadas pelas cartas após um bombardeio atingem-na diretamente, transformando a mulher que ela pensava ser.

Querida Sue é um delicado romance narrado através de cartas, no qual a autora soube muito bem como trabalhar o presente e o passado. Quando a segunda guerra chega, Margaret, a filha de Elspeth descobre que há muita coisa que sua mãe nunca lhe contou, fatos que podem mudar a forma como a filha enxergava a mãe, trazendo ainda mais admiração. Mas o caminho para essas descobertas é árduo, requer entrar em contato com uma família que ela não conhece, tudo enquanto pensa no seu amor envolvido nessa guerra. Enquanto Margaret tenta descobrir o passado, trechos da história de Elspeth e David se apresentam, conquistando a simpatia do leitor e despertando a curiosidade sobre esse enredo, que trás os infortúnios de se apaixonar em tempo de guerra.
Confesso que a escrita da autora me surpreendeu e agradou bastante, foi convincente e a história foi bem delineada, e há um jogo de palavras e eventos que remetem a possíveis fatos que aguçam a curiosidade do leitor até a última página, afinal um amor, ainda que tão bonito assim, pode ter vários destinos.

Um romance delicioso, a leitura flui como água e a história é envolvente do início ao fim!



7 comentários:

  1. Gostei desse livro, sou uma romântica irrevogável e essa história parece ter de tudo o que eu espero. Gosto de livros que tem a época diferente da nossa, possibilita conhecer o passado que pouco nos é informado com características peculiares. Livro adicionado a lista de desejados!!
    Beijos!!

    ResponderExcluir
  2. Fiquei bem curiosa para ler este livro quando soube a forma como a autora contou sua estória através de cartas, ainda mais quando leia as resenhas falando sobre a beleza do enredo.
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir
  3. Desde a 1ª resenha que li o livra já me encantou, acredito que a leitura seja evolvente por se tratar de uma descoberta através de fatos (digamos assim); passado e uma geração para outra e envolver o amor. Tenho um livro narrado em forma de cartas e é lindo, então acredito que vou amar "Querida Sue".

    Bjsss

    ResponderExcluir
  4. Um livro maravilhoso, achei incrivel a narrativq.. vale a pena ler ...bela historia

    ResponderExcluir
  5. Fiquei encanta com o livro e com sua resenha. Amo romances e estou doida pra ler esse. Nunca li um livro que fosse narrado através de cartas e fiquei bastante curiosa. Estou mesmo precisando de um pouco mais de romance na minha vida! Já foi pra minha listinha de desejados!

    Beijos!!

    ResponderExcluir
  6. Eu não tinha me interessado muito pelo livro quando li a sinopse, mas já li umas três resenhas dele e todas três me encantaram! Acho muito interessante essa questão das cartas. Fiquei bem curiosa pra ler!
    Beijos
    http://www.romanceseleituras.com/

    ResponderExcluir
  7. É difícil conseguir escrever um bom romance se valendo de cartas, é uma jogada ariscada, tudo precisa ser muito bem amarrado e é o que acontece com Querida Sue, além de retratar um pouco da Segunda Guerra, mostra a força do amor que David sentia por Elspeth, quero ler o que cada um escreveu para o outro, uma leitura agradável com muito romantismo que pretendo fazer.

    ResponderExcluir

Comentários e elogios são sempre bem-vindos. Críticas são construtivas, agora, insultos e xingamentos são falta de respeito.
Desde já, obrigada pra quem comenta.

© Coisas da Amanda Todos os direitos reservados.
Criado por: Amanda.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo