A Rosa e o Espinho

27 maio, 2014



Quando Evelyn Morgan entrou na livraria da pequena cidade de Clews não imaginava que iria encontrar ali seu grande Amor... E quando Brendan Thorne entregou-lhe um romance medieval, também não sabia que tal fato mudaria tudo... Era como se os dois fizessem parte daquele velho livro e a história de Amor registrada naquelas páginas ganhasse vida. A Rosa e o Espinho é um artefato literário especial: o leitor é convidado a escolher qual lado da história prefere ler primeiro, pois, neste caso, o livro dispõe um formato sanfonado. Não há exageros estilísticos e estruturais, de forma que a leitura seja ainda mais prazerosa e apaixonante. Um Amor eterno, onde o fim é só o recomeço. 


     A Rosa e o Espinho conta a história de Evelyn Morgan, uma acadêmica do curso de literatura, que, contrariando a “tradição” da família, acabou optando por cursar Literatura, em vez de matricular-se na faculdade de direito e tornar-se advogada, como o seu pai. No entanto, após uma “crise existencial” – vamos chamar assim, porque mesmo não estando com essas palavras no livro, certamente foi o que pareceu para mim – durante as semanas finais do semestre, e também devido à convergências de opiniões entre ela e seu professor/orientador, Evelyn resolve tirar uma “folga” de seus estudos, no período de uma semana, e pega o primeiro destino que lhe vem à mente, e assim, ela foi parar na Cornuália. Em uma pequena cidade chamada Clews, para ser mais exata.  
     A pequena cidade, durante aquela época do ano – fora de temporada – estava mais vazia do que nunca, e seus principais atrativos incluíam descer até o porto para ver os barcos de pesca, visitar uma antiga igreja e subir a colina, a fim de observar o círculo de pedras da Gawan’s Court. Então, pegando um mapa emprestado com os donos da pousada em que estava hospedada, Evelyn saiu pensando em descer até o porto e observar as embarcações. Eis que, quando ela estava subindo a rua principal, se deparou com uma livraria, onde tudo o que via não eram livros best-sellers ou novos lançamentos, mas sim, muitos livros antigos, com encadernação em couro, e lombadas escritas em dourado e alto relevo. É lá então que conhece Brendan Thorne, filho do dono da livraria. Depois desse encontro, eles passam a se encontrar ao longo da semana, fazendo passeios turísticos e desvendando a cidade juntos, até que, a mente de Evelyn começa a enganá-la de novo, e ela simplesmente “foge” da cidade, deixando para trás esse garoto que conquistou seu coração.  
     Oito anos depois, Evelyn já é doutora em Literatura, e recebe uma oferta de emprego para lecionar na Bartlett College, e para a sua surpresa, lá encontra Brendan, também professor. Ao se encontrarem, seus sentimentos voltam a aflorar, e tudo parece como se não tivessem passado anos sem se ver, no entanto há segredos entre eles, que podem acabar unindo-os mais ainda, ou separá-los de vez.  
     Confesso que esse livro foi bem fácil e curto de ler (contém apenas 45 páginas), e o que mais me chamou a atenção nele foi que ele poderia ser lido através tanto do ponto de vista da Evelyn, quanto através do ponto de vista do Brendan. Mas, ao mesmo tempo que tudo isso soa interessante, eu achei que a história em si, não foi tão bem desenvolvida. Quero dizer, aconteceram tantas coisas nessas poucas 45 páginas, que eu não posso deixar de pensar o que teria saído se a autora prolongasse mais os acontecimentos e deixasse o leitor mergulhar mais na história, porque convenhamos, ela tinha tudo para dar certo: Estudante de literatura, Viagem à Cornuália, Romance quando jovens, Separados por alguns acontecimentos, Reunidos oito anos depois e continuam apaixonados. Eu realmente achei que esse enredo e o contexto da história daria um bom best-seller se a autora trabalhasse melhor o desenvolvimento e progresso da história.  
     Mas enfim, não foi o que aconteceu, e nem por isso, deixa de ser um livro bom. Na verdade, acho que ele ganha pontos pelo enredo e pela história inédita, por assim dizer, e pelo que acaba envolvendo o leitor, mesmo nessas poucas páginas, além dos pontos de vistas diferentes acrescentarem algo à história, e preenchendo os vazios deixados pelo outro ponto de vista. Definitivamente não é um livro 5 estrelas, mas é um livro que eu recomendo para quem se interessa pela premissa, e está buscando uma leitura rápida e distração.

9 comentários:

  1. Fiquei bem surpreso quando vi que esse livro tem apenas 45 páginas. Parece mais um conto. Enquanto lia a resenha, achei que era uma história bem complexa, mas com esse número de páginas, me parece ser um pouco superficial. Mesmo assim, acho que deve ser uma boa pedida.

    @_Dom_Dom

    ResponderExcluir
  2. Ele é realmente bem curtinho, né? Achei a capa linda e o formato sanfonado muito interessante, mas a história parece que deixa um gostinho de quero mais... O fato de poder ler os dois lados da história, do ponto de vista de cada protagonista me deixa ainda mais curiosa em relação à história. Se tiver oportunidade lerei com certeza!!

    Beijos!!

    ResponderExcluir
  3. Nossa, só 45 páginas :O
    É muito pouco pra desenvolver de forma satisfatória um livro com uma premissa tão boa! Dá a impressão que tudo vai acontecer muito rápido, uma coisa atrás da outra sem se aprofundar em nada em especial.
    Porém eu gostei muito da premissa, deve ser muito bom de ler.

    ResponderExcluir
  4. Poxa, só 45 páginas? A história me lembrou esses filmes de sessão da tarde, mas mesmo assim achei o enredo bem interessante e poderia ter sido melhor desenvolvido, né? Não consigo imaginar como essa história se desenrola em apenas 45 páginas, pra ser sincera. Mas enfim, é uma pena que seja tão curta.

    ResponderExcluir
  5. Apesar de curtinho, este eu passo.
    Bjs, Rose

    ResponderExcluir
  6. Sério, só 45 páginas?
    Sei lá nada no livro chamou minha atenção, começando pela capa .

    ResponderExcluir
  7. Nossa! Já tinha visto pessoas comentando sobre o livro, e honestamente, nunca ia adivinhar que ele só tem 45 páginas. Me interessei sim pela premissa do livro, e acho que vou comprar para uma leitura de distração, sim.
    E, sério, eu achei essa capa linda demais!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  8. Achei que o livro tem poucas páginas e que isso pode interferir na quantidade de detalhes que ele contem. Pela sua resenha eu estava achando super interessante até que você falou das 45 páginas e eu desanimei.
    A autora poderia ter escrito toda essa história em mais páginas.
    Beijokas

    ResponderExcluir
  9. Vi esses dias sobre ele... achei a sinopse interessante e gosto das obras da editora. Então pensei em dar uma chance, apesar de não ter me chamado tanto a atenção.

    ResponderExcluir

Comentários e elogios são sempre bem-vindos. Críticas são construtivas, agora, insultos e xingamentos são falta de respeito.
Desde já, obrigada pra quem comenta.

© Coisas da Amanda Todos os direitos reservados.
Criado por: Amanda.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo