A Canção de Aquiles

09 julho, 2013



Baseada na Ilíada, esta obra é uma reconstituição da épica Guerra de Troia. O tímido príncipe Pátroclo é exilado no reino de Fítia, onde cresce à sombra do rei Peleu e de seu extraordinário filho, Aquiles. Apesar de suas diferenças, os meninos logo se tornam companheiros inseparáveis. Os laços entre eles se aprofundam à medida que se tornam adolescentes e hábeis nas artes da guerra e da medicina – para desagrado e irritação da mãe de Aquiles, Tétis, uma cruel deusa marinha que odeia os mortais. Quando se espalha a notícia de que Helena de Esparta foi raptada, os homens da Grécia, ligados por um juramento de sangue, têm de partir para invadir Troia e salvar Helena. Seduzido pela promessa de um destino glorioso, Aquiles junta-se à causa. Pátroclo, dividido entre o afeto e o temor por seu amigo, acompanha-o. Mal sabem eles que os deuses do destino os colocarão à prova como nunca antes, exigindo deles um terrível sacrifício.

Quem conhece a história da Ilíada de Homero, consegue acompanhar ainda melhor essa história, mas, se você é como eu que nunca leu Ilíada, não se preocupe, com sua narrativa descritiva e precisa, Madeline Miller – ganhadora do Orange Prize for Fiction com esse livro – lhe apresenta esse reino a cada página. A Canção de Aquiles é um livro de ficção histórica, ou seja, utiliza um fato histórico para basear todo o enredo, nesse caso, a Guerra de Troia, mas não a tem como foco principal, afinal, como o próprio título deixa a entender, este livro vem falar de Aquiles e sua criação, até, fatalmente, fazer parte da Guerra de Troia.
Quem nos conta a história é Pátroclo, um personagem que na história real não pode ter sua importância definida exatamente, alguns especulam que ele foi um grande amigo de Aquiles, outros dizem que eram parentes, há até quem diga que foram amantes. Mas, nesta história, ele surge como um príncipe exilado, obrigado a crescer longe de sua terra natal, é assim que ele chega ao reino de Fitia onde seu nome ou título não significam nada, ali ele terá de crescer e trilhar seu caminho obedecendo aos comandos do rei Peleu, e sendo ofuscado pelo seu filho Aquiles, que vem a se tornar seu therapon – um companheiro de armas, ligados por um juramento de sangue e afeto.
Foi na incerteza do papel de Pátroclo que a autora resolveu desenvolver sua história, abordando sobre o ponto de vista dele todos os acontecimentos marcantes da época, desde o crescimento de Aquiles e sua reação com ele, a grandiosa Guerra de Troia.
Como não poderia deixar de ser, a história trás no conjunto outras figuras que compõem a Ilíada de Homero, como Helena e Heitor, Príamo, Ulysses e tantos outros; mas, como para Pátroclo o personagem Aquiles tem uma importância sem tamanhos, é nas mãos deste que pesam as maiores decisões e o desenrolar da história.
Com uma escrita envolvente, a autora te faz caminhar por vários anos da vida de Aquiles sem nem sentir, e, quando chega ao fim, parece que tinha muito mais páginas que de fato tem no livro, e quando a história termina, tem um gostinho de dever cumprido.


“Calculei, de súbito, o peso das palavras do centauro: o mundo iria dizer que a guerra era o destino para o qual nascera Aquiles. Que suas mãos e seus pés velozes tinham sido feitos para isto apenas: a ruína das poderosas muralhas de Troia. Aquiles seria lançado no meio de milhares de lanças troianas e todos aplaudiriam triunfantes suas mãos manchadas de sangue.” Pg. 121


4 comentários:

  1. Estou super curiosa para ler esse livro, principalmente porque a Alba do Psychobooks falou muito bem dele! Adoro livros de gênero mitológico, tenho certeza de que vou adorar.

    Um beijo, Karine Braschi.
    Geek de Batom. (@geekdebatom)

    ResponderExcluir
  2. Livros com um pouco de mitologia são ótimos, sua resenha só me animou mais para lê-lo! Agora quero muito ter ele pra mim! (dependendo do preço é claro, hehehe #VidadePobre \0/) A resenha está perfeita!
    Bjsss ;*

    ResponderExcluir
  3. Apesar de ser muito fã de livros assim, não gostei desse livro...
    Fiquei curiosa com a história, mas tem alguma coisa q me desagradou... Só não sei o q....

    ResponderExcluir
  4. Gosto muito de livros assim, com temática história que envolve mitologia! Fiquei curiosa, mas não o leria no momento!

    ResponderExcluir

Comentários e elogios são sempre bem-vindos. Críticas são construtivas, agora, insultos e xingamentos são falta de respeito.
Desde já, obrigada pra quem comenta.

© Coisas da Amanda Todos os direitos reservados.
Criado por: Amanda.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo