4 de julho

06 outubro, 2011


Lindsay Boxer é uma policial exemplar. Chefe do Departamento de Homicídios da Polícia de São Francisco, a tenente recebeu várias medalhas e menções honrosas durante seus 10 anos de serviço. Ao fim de um cansativo dia de trabalho, Lindsay se encontra com Claire Washburn e Cindy Thomas num bar. As três amigas compõem o Clube das Mulheres contra o Crime, grupo que tenta solucionar os casos ocorridos na cidade. Após alguns drinques, a tenente recebe uma ligação do inspetor Warren Jacobi. Ele acaba de localizar um veículo suspeito, visto na cena de um crime. Em poucos minutos Lindsay está no carro de Jacobi, cruzando a cidade na cola de um Mercedes preto. Depois de uma longa perseguição, a abordagem policial acaba fugindo do controle. Os dois adolescentes que estavam no carro reagem, descarregando suas armas contra a dupla de policiais. A tenente atira em legítima defesa, mas o resultado é uma menina morta e um garoto tetraplégico. Lindsay é acusada, entre outras coisas, de má conduta profissional e se vê num lugar que nunca imaginaria ocupar: o banco dos réus. Será o fim do Clube das Mulheres contra o Crime? A jovem advogada Yuki Castellano conseguirá provar a inocência da tenente? Enquanto aguarda o julgamento, Lindsay decide passar uma temporada em Half Moon Bay. Mas a pacata cidade vem sendo palco de crimes brutais e a polícia parece não fazer nada. Mesmo de licença e fora de sua jurisdição, a tenente resolve investigar os assassinatos, com a ajuda de Claire e Cindy. Para sua surpresa, ela encontra ligações entre aquelas mortes e um caso ocorrido 10 anos antes, que ainda é uma mancha em sua carreira. O Clube das Mulheres contra o Crime é uma das melhores séries de suspense de todos os tempos. Escrito de maneira ágil e envolvente, 4 de Julho comprova por que os livros de James Patterson sempre chegam ao topo das listas de mais vendidos nos países onde são publicados.

Lindsay Boxer, tenente da polícia de São Francisco, sempre foi uma policial exemplar, e mal sabia ela que naquele 10 de maio toda sua vida iria mudar. Depois de seu expediente ela se encontrou com as amigas no lugar preferido delas, pediu umas margaritas, e logo foi chamada por Jacobi, um antigo parceiro seu, para investigar um veículo suspeito de vários crimes em que ela esteve trabalhando para resolver... Acontece que no veículo estavam os irmãos Cabot, Sara uma garota de 15 anos e seu irmão de 13, Sam, dois adolescentes rebeldes que podem ter cometido outros crimes. Subestimando os adolescentes que se machucaram ao bater com o carro, Lindsay e seu parceiro foram socorrê-los antes que o veículo pudesse explodir, e isso quase lhe custou as vidas, pois os dois estavam armados e atiraram nos policiais. Em legítima defesa, Lindsay atirou de volta, o que causou a morte instantânea da garota e deixou o garoto paralisado do pescoço para baixo... Agora os pais deles e boa parte da cidade de São Francisco acham que Lindsay fez de propósito, agiu com negligência e estava embriagada.
Tais acusações a levam a julgamento, e a um afastamento temporário da polícia até que a situação seja resolvida. Afim de não ficar em sua própria casa, tendo de enfrentar repórteres a todo instante lhe ligando e pessoas indignadas fazendo protestos, Lindsay aceita a sugestão da irmã e vai para Half Moon Bay, uma pequena e pacata cidade litorânea, onde sua irmã mora – mas a casa estará vazia durante as férias, um lugar perfeito para ela espairecer enquanto aguarda o julgamento.
Mas acontece que a cidade não é tão pacata assim. Uma série de crimes, que começou dez anos atrás quando ela ainda estava entrando na polícia com o caso do Anônimo 24, e que foram “copiados” em São Francisco pelos irmãos Cabot. Um crime que deixava marcas peculiares nas vitimas, e que aconteceu com intervalos cada vez menores, primeiro há dez anos, outro dois anos depois, e no último mês mais vítimas foram feitas cada vez mais frequentemente. O que causa uma grande comoção na cidade, e em Lindsay, que mesmo estando fora de sua jurisdição não consegue ficar sem se envolver no que está acontecendo, ela ainda se sente mal por não ter resolvido o caso do Anônimo 24 e mal pode esperar para se envolver nas investigações novamente e descobrir o que realmente está acontecendo.
Até que ela passa a ser observada, seguida, e sua casa é atacada, deixando assim o caso uma situação perigosa para a policial, mas que cabeça dura não consegue se afastar, ela disse a si mesma que iria ajudar a decifrar o que vinha acontecendo, e ela pretende cumprir.
Enquanto isso seu julgamento continua correndo, e quanto a isso só resta a ela torcer para que sua advogada faça um bom trabalho.

Para quem curte livros sobre histórias de tribunais, com casos bem descritos, julgamentos e testemunhos, esse livro é uma excelente pedida. Para quem curte suspense policial, com uma investigação entre crimes que não apresentam semelhanças entre as vitimas, com pistas que parecem não levar a lugar nenhum e uma carga de adrenalina, esse livro também é uma excelente pedida.
James Patterson junta esses dois elementos na narrativa dessa história, mostrando como a vida de uma policial centrada e condecorada diversas vezes pode mudar da noite pro dia, por culpa de um simples erro de julgamento ao pensar que duas crianças seriam inocentes e agora depender de um tribunal de júri para decidir o seu destino.
A história se desenvolve bem, com capítulos curtos e rápidos, sendo contado ora pelo ponto de vista da policial Lindsay, ora mostrando o que o assassino está tramando, causando aquele suspense que faz você torcer que alguém se dê conta do que está acontecendo e prenda o psicopata!


10 comentários:

  1. eu já disse aqui que ADORO esse gênero?
    suspense, policial, enfim... e incrivelmente não conhecia james patterson até a arqueiro ter os direitos dele aqui no brasil. nunca tinha ouvido nem falar. sério =x
    mas aí fui lendo resenhas e tinha todo aquele rebuliço quando o dia da caça e 4 de julho foram lançados e simplesmente achei o autor maravilhoso.
    espero poder ler 4 de julho, principalmente de uma resenha tão bem recomendada quanto essa! a história é muito massa, mesmo!
    beijos,
    samuely
    http://blackbirdlonely.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Olá!

    Eu gostei do livro, da sua resenha. Parece ser realmente muito bom! Livros com tribunais são excelentes, e os com suspense policial também... Mas nunca li os dois juntos!
    Já leu "Erro de Julgamento"? É um excelente livro que mistura tribunal e ficção médica...

    Abraços!

    Ana Carolina Nonato
    Seis Milênios

    ResponderExcluir
  3. Esse livro não me chamou a atenção, não achei a capa lá grandes coisas e tudo mais. Mas pode ser que eu esteja enganada né.

    ResponderExcluir
  4. só pelo nome e pela capa não tive a minima intenção de lê-lo, mas lendo a sinopse e a resenha minha opinião mudou, ele tem tudo de bom pra ser um livro ótimo, daqueles que voce não consegue largar por causa do suspense1

    ResponderExcluir
  5. Virginia de Oliveira12:00:00 PM

    Tenho muita vontade de ler um livro do James Patterson, o autor parece ser muito genial. 4 de Julho parece ser uma das melhores historias dele, deve ser muito instigante do tipo que deixa o leitor doido pra saber quem é o serial killer,esse tipo de livro sempre me surpreende.

    ResponderExcluir
  6. Ameia a resenha ! Ja tinha visto a capa desse livro mas nunca tive interesse de pegar e ler a spione ! Mas agora vi como a historia pode ser legal ! Acho que esse eu vou ler ! Obrigada pela dica ! Beijos

    ResponderExcluir
  7. Quero ler, parece ser bem legal. O James é um ótimo autor (=

    ResponderExcluir
  8. Vou ter de comprar algum livro do James Patterson, adoro o gênero de livro que ele escreve e tenho lido muitas críticas positivas ao seu respeito...

    ResponderExcluir
  9. Esse livro parece ser super legal só fico um pouco confusa em relação ao titulo...Assim que tiver a oportunidade com certeza vou ler..

    xoxo

    ResponderExcluir
  10. livro policial eu adoro , a capa lembrou minha mãe oho rsrs data do niver dla!

    ResponderExcluir

Comentários e elogios são sempre bem-vindos. Críticas são construtivas, agora, insultos e xingamentos são falta de respeito.
Desde já, obrigada pra quem comenta.

© Coisas da Amanda Todos os direitos reservados.
Criado por: Amanda.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo