Aprendendo a Seduzir

04 junho, 2010

Estavam com saudades das minhas resenhas, né gente? HAUSHUAHSUAHUS Desculpa aí a demora, mas é como eu já expliquei no post passado, que com essas provas que eu andei tendo, e mais o vestibular QUERIDO que eu tenho domingo que vem, o tempo vem encurtando cada vez mais pra mim. Por isso, a minha querida twin sister resolveu me ajudar aqui no blog! (É claro que sempre tem um interessezinho por trás disso, né, mas é em off). Então, espero que vocês tenham gostado da resenha dela, e que futuramente ela vai estar postando mais, mas por enquanto, eu continuo sendo a encarregada do blog, e “administro” tudo, ela é só “escraviária” HAUSHUAHSUAS (Palavra inventada pela Carol).
O livro que vou resenhar hoje é o Aprendendo a Seduzir, da Patrícia (Meg) Cabot. Confesso que nunca fui muito fã assim, da Meg Cabot, mas até que gostei desse livros mais antigos, que ela escreveu no início da carreira dela. Espero que gostem! :)

Sinopse: “Durante um baile, Lady Caroline Linford abre a porta de um dos cômodos e flagra seu noivo, o marquês de Winchilsea, nos braços de outra mulher. Para a sociedade vitoriana do século XIX, tais escapulidas masculinas eram normais, e cancelar o casamento seria impensável. O jeito, decide a jovem, é aprender a ser, ao mesmo tempo, a esposa e a amante, para que o marquês nunca mais tenha de procurar outra mulher fora do lar. Por isso, resolve tomar lições - teóricas, claro - sobre a arte do amor com o melhor dos professores: Braden Granville, o mais notório libertino de Londres. Logo nas primeiras aulas começam a voar faíscas e as barreiras entre professor e aluna caem. Escrito por Meg Cabot, sob seu pseudônimo, esse romance vai mostrar que o amor escolhe seus próprios caminhos, sempre imprevisíveis.”

Olha gente, pra ser sincera, eu nem sei por onde começar :S

O livro retrata um romance de época, com duques, duquesas, marqueses, e afins. Então, acho que todo mundo já sabe, aquela era uma sociedade desigual e muito preconceituosa.
Lady Caroline, após ver seu noivo em um “abraço comprometedor” (é como ela se refere à situação), resolve cancelar o casamento, e vai falar com sua mãe. Ela, uma mulher que odiava escândalos e barracos, diz que isso foi um pequeno inconveniente, e que era normal alguns homens satisfazerem seus desejos antes do casamento (e as vezes depois) com outras mulheres que estavam dispostas a essa situação. Mas Caroline não queria um casamento que fosse só uma junção de amizade e cortesia, só para aparições em público, para que todos vissem que eram um casal. Não, ela queria ser uma esposa responsável e cuidadosa, e ao mesmo tempo, uma amante para seu marido (coisa muito difícil na época). Então, após sua mãe lhe proibir de cancelar o casamento, ela busca por algumas soluções, e decide tomar classes de como fazer amor. Mas quem ensinaria esse tipo de coisa para ela?
Havia apenas um homem em toda cidade que poderia lhe ensinar, pois ela tinha algo para dar em troca dessas aulas. Mas, com o passar das aulas, as emoções vão se confundindo e...
Não posso contar o que acontece! :D
HAHÁ! ADOOORO isso! HAUSHUAHUS Não, sério gente, se eu contar, não vai ter a mínima graça pra vocês lerem o livro.

Não vou mentir, então, sim, tem umas partes meio hot, mas nada de maaais.
O que me impressionou no livro, e que me arrancou boas gargalhadas foi a ingenuidade da Caroline, sério! O jeito que ela fala até de um “French Kiss”, como se fosse a coisa mais repulsiva do mundo, é muito engraçado!
Ah, mas também, é meio que compreensível, porque, se a gente parar pra pensar mesmo, naquela época, as mulheres não tinham nem direito ao voto, e deveriam (SUPER supostamente) se conservar virgens para o casamento.
Então, imaginem como que era a “educação sexual” dessa gente, né? Nem existia! :S
E a Emily, que é a melhor amiga da Caroline, é muito engraçada! Ela é super feminista, sabe? Então, enquanto todas as mulheres usavam espartilho, ela se recusava a usar. Além, é claro de fazer protestos, manifestações, e ser presa! HUASHUAHSUAHSUAS

É legal sim o livro. Confesso que não me empolguei muito de início não, e deixei o livro de lado, enquanto lia os outros, até que essa semana olhei pra ele, e disse: Quer saber? É tu mesmo! HAUSHUAHSUAS
Depois que você “engata” no livro, a leitura flui que é uma beleza, e você nem vê o tempo passar! Pra vocês terem ideia, faltava um pouco mais da metade pra eu acabar o livro. Então ontem eu cheguei e falei, quer saber? Vou ler o livro! Comecei a ler eram 23h passadas, mas continuei, porque queria acabar de uma vez o livro, sabe? Saber o que ia acontecer! Então, fui lendo, lendo, lendo. Quando acabei, e olhei no relógio, eram 5h45 ma madrugada! Pensa só! @_@ Loucura mesmo! Mas vale a pena! :D

Então, essa foi a minha resenha de hoje, e espero que tenham gostado!
Beijoos :*
Thayná.

PS: Depois eu vou tirar uma foto da PILHA de livros que eu tenho pra ler e resenhar, daí vocês vão ver o que é estar com o trabalho atrasado! HAUSHUAHSUAS :*

12 comentários:

  1. Ok, explica aqui p/ leiga: no inicio da carreira ela chamava Patricia Cabot, ai ela decidiu que Meg era melhor!? O.o

    ResponderExcluir
  2. É, mais ou menos. Tipo, no início de carreira acho que ela achou melhor usar um pseudônimo, e depois decidiu mudar :S Sei lá como funciona essas coisas também! :S

    ResponderExcluir
  3. Aiiii adorei a resenha!!! Estava super hiper mega curiosa pra saber como era o livro hehoeihoehieo! E pumba, agora matei minha curiosidade, só que cresceu em mim aquele lado consumista e agora ele me pede pra entrar no site da livraria cultura e comprar heoheihoehieohe. Pena que ainda vai levar um tempo pra ler pq não sei ainda direito qnd vou pro Brasil :T Mas qnd eu chegar lá ja vou querer que o livro esteja ma minha estante esperando ansiosamente por mim! herhoeihoehieoheiheoi
    Aiiii, tira foto mesmooooooo :D Tenho 5 na pilha e to pra dar em doida kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    Beijinhos!!!! *-*

    ResponderExcluir
  4. eu adoreeeeeeeeeeeiiiiii!

    Na verdade Thayná, os livros hist. dela sairam pelo Patricia Cabot...

    ResponderExcluir
  5. Lari, eu JURO que ainda não intendi essa história de Patricia/Meg Cabot. Só sei que é a mesma pessoa, e que nos livros como Patricia ela parece MUITO mais nova, e a foto é em preto e branco! HAUSHUAHSUAHUS

    HUASHUAHUSHAS Rê, você NEM imagia a minha pilha, sério, minha estante/prateleira LOTOU! @_@ E eu to com uma preguiçinha de arrumar... HAUSHUAHUS Masss eu tiro sim! E lê mesmo, em! É muito legal! :D

    ResponderExcluir
  6. Eu fico mal de ler os livros de "gente grande" da Meg aushauhsuaus
    se for pra ler, prefiro que sejam de outros autores :P
    Na minha cabeça a Meg escreve livros de mocinhas, não de gente grande rs

    ResponderExcluir
  7. HUAHSUAHUSAHUS Como eu não gostava muito dos livros dela de mocinhas, meio que me afeiçoei por esse de gente grande! HUAHSUAHUSAS :)

    ResponderExcluir
  8. Nossa, eu adorei. fiquei morrendo de vontade de ler esse, mas eu tbm tenho uma pilha pra ler.
    plasplsaplsalsaplsplsas³
    sobre a meg, o nome dela completo é Meggin Patricia Cabot, e eu tbm não sei porque ela alternava entre o segundo e o terceiro nome =/
    Se alguem souber, please, me explica!

    ResponderExcluir
  9. aah morro de vontade de ler os livros da Meg com o pseudonimo Patricia mas ainda não pude :/ esse com certeza vai ser o primeiro que lerei, a capa é tao linda *-*

    ResponderExcluir
  10. Adorei a resenha ! ja tentei ganhar esse livro mas não tive sorte ! Mas eu desejo ler ele o mais rapido o possivel ! A capa é muito linda !

    ResponderExcluir
  11. A é maravilhosa e com sua resenha me deu mais vontade de ler, adorei!

    ResponderExcluir
  12. é belissima a historia essa capa esta sem comentarios , amei tudo !

    ResponderExcluir

Comentários e elogios são sempre bem-vindos. Críticas são construtivas, agora, insultos e xingamentos são falta de respeito.
Desde já, obrigada pra quem comenta.

© Coisas da Amanda Todos os direitos reservados.
Criado por: Amanda.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo