Hush Hush (Livro #1)

17 abril, 2010

Oi! Então, nesse segundo post vou falar de “Hush Hush”, livro da Autora Becca Fitzpatrick que tem feito o maior sucesso lá nos EUA, e por aqui, bastante gente conhece também. Se alguém tem interesse, o livro está sendo traduzido e logo logo será lançado pela editora @intrinseca.

Sinopse: “Se apaixonar nunca foi tão fácil... Ou tão mortal.
Para Nora Grey, romance não fazia parte do plano. Ela nunca se sentiu (ou esteve) particularmente atraída por nenhum dos garotos da sua escola, mesmo com sua melhor amiga Vee ‘jogando’ eles em cima dela. Pelo menos não até Patch aparecer. Com seu sorriso simples e seus olhos que pareciam enxergá-la por dentro, Nora sente-se atraída por ele contra seu melhor julgamento.
Mas depois de uma série de encontros aterrorizantes, Nora não sabe mais em quem confiar. Patch parece estar em todo lugar que ela está, e parece conhecê-la melhor do que sua melhor e mais íntima amiga. Ela não consegue decidir se ela deveria cair em seus braços, ou correr (fugir) e se esconder. E quando ela tenta procurar algumas respostas, ela se descobre mais perto da verdade que é muito mais inquietante do que qualquer coisa que Patch a faça sentir.
Nora está bem no meio de uma antiga batalha entre os imortais e aqueles que caíram (tipo ‘anjos caídos’, okay?) – e quando se trata de escolher qual lado ficar, a escolha errada custará sua vida.”

Então, acho que a sinopse já fala bastante sobre o livro, certo? Foi bem isso que me atraiu, mas eu estava no final do ano no colégio, 3ªº, formatura, vestibular, enfim, MUITAS coisas pra fazer, e ficava me remoendo porque não tinha tempo de ler. E foi na segunda feira antes do Natal, que minha maratona de vestibulares acabou (ThanksGod), e eu falei: Quer saber? Vou terminar de ler Hush Hush mesmo em inglês (eu tinha comprado o livro pela internet e tinha chegado há poucos dias), e fui. Quando terminei, ficou aquele gostinho de quero mais, e só depois, fui descobrir que haveria continuação, mas só seria lançada no final de 2010. Fiquei meio P da vida, confesso. É que eu odeio quando eu leio um livro bom, e depois descubro que ele tem continuação, e daí tenho que ficar esperando até que ele seja lançado pra conseguir comprar ou fazer download da internet mesmo. Sério, me dá muita raiva (Como o Fallen da Lauren Kate, que tem o Torment, que será lançado só em Setembro de 2010, mas essa já é outra história.).

Então, mesmo achando que a sinopse já dá uma boa idéia do que é o livro, vou dar uma breve resumidinha do 1º capítulo, pra vocês ficarem com mais vontade de ler ainda! :D

O livro começa com um prólogo, que fala sobre um acontecimento na França, em 1565. Logo após isso, no primeiro capítulo, já apresenta como “Dias Atuais”, e começa a história narrada por Nora.
Nesse primeiro capítulo, ela e sua melhor amiga Vee entram na aula de biologia, e o professor, que também é o treinador do time de basquete da escola, estava preparando o material para dar aula sobre “Reprodução Humana”. Depois de uma breve discussão/argumentação, o professor decide trocar as duplas, deixando Vee e Nora separadas durante a aula. E nas duplas, Nora acaba ficando com Patch. (Já sentiu né, será o acaso?). O professor dá a “tarefa” de que, durante a aula, os alunos deveriam tentar descobrir o que puderem um do outro, e fazer um relatório sobre isso. Patch parecia saber tudo sobre a vida de Nora, e passou o resto da aula falando sobre suas teorias. No final da aula ele tinha tudo, e ela nada. Então ele pega a mão dela, e escreve seu número de celular.
E começa a historinha de “te odeio mas algo me atrai em você”, que vocês conhecem.
Mas podem ter certeza de uma coisa: o Patch pode surpreender vocês. Tanto ele como os outros personagens. Então, vale a pena conferir!

E aqui vai um dos trechos que eu mais gosto entre os primeiros capítulos:
“Tempo livre,” ele repetiu pensativamente. “Eu tiro fotos.”
Eu copiei Fotografia no meu papel.
“Eu não terminei,” ele disse. “Eu tenho uma bela coleção de uma colunista de eZine que acredita que há verdade em comer organicamente, que escreve poesia em segredo, e que estremece ao pensar em ter que escolher entre Stanford, Yale, e... qual é aquela grandona com H?”
Eu o encarei por um momento, balançada por ele ter acertado na mosca. Eu não tinha o pressentimento de que era um chute. Ele sabia. E eu queria saber como – agora.
“Mas você não acabará indo para nenhuma delas.”
“Eu não irei?” Eu perguntei sem pensar.
Ele prendeu seus dedos debaixo do assento da minha cadeira, me arrastando para mais perto dele. Não certa se deveria escapar e mostrar medo, ou fazer nada e fingir tédio, eu escolhi o último.
Ele disse, “Embora você prosperasse nas três escolas, você as desdenha por serem um cliché em realização. Julgar é sua terceira maior fraqueza."
“E minha segunda?” Eu disse com bastante raiva. Quem era esse cara? Essa era algum tipo de piada perturbadora?
“Você não sabe como confiar. Eu retiro o que disse. Você confia – só que nas pessoas erradas.”
“E o meu primeiro?” Eu exigi.
“Você mantém a vida numa coleira curta.”
“O que isso quer dizer?”
“Você tem medo do que não consegue controlar.”
O cabelo na minha nuca ficou de pé, e a temperatura na sala pareceu esfriar. Normalmente eu teria ido diretamente para a mesa do Treinador e pedido um novo mapa de assentos. Mas eu me recusava a deixar Patch pensar que ele podia me intimidar ou assustar. Eu senti uma necessidade irracional de me defender e decidi bem ali e agora que eu não recuaria até que ele recuasse.
“Você dorme pelada?” ele perguntou.
Minha boca ameaçou cair, mas eu a segurei no lugar. “Você está longe de ser a pessoa a quem eu contaria.”
“Já foi a um psiquiatra?”
“Não,” eu menti. A verdade era que eu tinha consulta com o psicólogo da escola, Dr. Hendrickson. Não era por escolha, e não era algo que eu gostasse de falar sobre.
“Fez algo ilegal?”
“Não.” Ocasionalmente passar do limite de velocidade não contaria. Não com ele. “Por que você não me pergunta algo normal? Como... meu tipo favorito de música?”
“Eu não vou perguntar o que eu posso adivinhar.”
“Você não sabe o tipo de música que eu escuto.”
“Barroco. Com você, tudo é ordem, controle. Eu aposto que você toca... violoncelo?” Ele disse isso como se tivesse chutado do nada.
“Errado.” Outra mentira, mas essa enviou um arrepio pela minha pele que deixou meus dedos formigando. Quem era ele, realmente? Se ele sabia que eu tocava violoncelo, o que mais ele sabia?


Espero que gostem, e assim que for lançado comprem e leiam, porque é MUITOOO BOM! Bom proveito, e boa leitura!
Beijos :*
Thayná.

3 comentários:

  1. Olá, chamo-me Verónica e sou de Portugal.

    Demorei dois dias a ler a obra e acabei-a ontem.
    Simplesmente adorei, à parte da saga twilight, esta história acabou por despertar o meu 'bichinho das coisas estranhas', fiquei tão envolvida na história (e apanhada por Pash) que nem queria acabar de ler o livro.
    Acabou por acontecer o mesmo que te aconteceu, fui 'alvejada' ao saber que a história tinha continuação mas ainda nao estava disponivel.
    Estou simplesmente desejosa para ler a continuação, a história envolveu-me tanto que senti tudo o que era suposto sentir, está bem construida, misturando drama, romance, suspense e até comédia. Tudo isso num contexto que mais uma vez envolve os leitores no irreal e no sobrenatural.

    Gostei muito e ando a passar a palavra para que se torne também um sucesso no nosso país.

    (;

    ResponderExcluir
  2. Serio? De novo! Eu ja tinha deisado meu comentario aqui ! Que coisa ! aff ! Bem eu to doida pra ler essa serie o unico problema é que eu nunca acho esse livro para eu comprar ! E pedir demais que as livrarias atualizem seu estoque ! otima resenha !

    ResponderExcluir
  3. Quero muiiiito ler esse livro!

    ResponderExcluir

Comentários e elogios são sempre bem-vindos. Críticas são construtivas, agora, insultos e xingamentos são falta de respeito.
Desde já, obrigada pra quem comenta.

© Coisas da Amanda Todos os direitos reservados.
Criado por: Amanda.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo